Make your own free website on Tripod.com








ANARQUIAPUNK
MOVIMENTO PUNK













Home

MOVIMENTO PUNK | ANARQUIA | ANTI NAZI | FIGURAS | TEXTOS | LINKS PUNKS | Contato
































punk3.gif

































MOVIMENTO PUNK A contestação contra o sistema de coisas tornou forma ideológica através do Punk. Com o visual fugindo dos padrões que a sociedade impõe através do modismo, mostrando sua revolta pelo corte de cabelo à moicano (ou cabelos espetados) coloridos, roupas velhas surradas (em oposição ao consumismo), jaquetas arrebitadas com frases de indignação às injustiças do Estado repressor e a atitude subversiva, se mostra o PUNK. Esse movimento não fica calado, acomodado, como a maioria dos jovens e o povo em geral, fazendo manifestações, panfletagens, boicotes, passeatas: mostrando sua cultura e seu repúdio a todas as formas de facismo, nazismo e racismo, autoritarismo, sexismo e comando; vendo como solução a autogestão (ou seja anarquia) para a libertação dos povos, raças, homens e mulheres. Em palavras mais claras, autogestão seria a organização dos povos sem fronteiras nem lideranças autoritárias e partidárias, com plena igualdade, onde todos participariam da resolução dos problemas sociais. O punk também mostra sua cultura anticapitalista pelo FANZINE (jornal político-alternativo), pela música HARDCORE, som simples e direto, não comercializável, trazendo propostas políticas, seu comportamneto livre e objetivo, fazendo com que o Punk NÃO SEJA UMA MODA e sim um modo de vida e pensamento. Saiba e conscientize-se que Punk não é bagunça, muito pelo contrário é um movimento cultural de luta e ação direta, de liberdade de expressão e de comportamento. O movimento que surgiu a quase duas décadas, como contestação, evoluiu e evolui até hoje...

Movimento Punk No Mundo

Em meados da década de 70 o mundo se encontrava no auge da guerra fria, e uma Europa de pós-guerra, em constantes transformações sociais, se encontrava propicia para a formação de movimentos de transformações sociais, e foi lá, na Inglaterra, que surgiu um dos movimentos mais importantes deste século: O movimento Punk. Jovens, marginalizados pela sociedade, pobres e desempregados, começam a chocar a sociedade pelo seu modo agressivo de ser, de se vestir, e de agir. Tudo é contestação para os Punks, eles defendiam o Anarquismo e a liberdade individual, e manifestavam a sua rebeldia contra a hipocrisia, os privilégios, a sociedade conformista, as desigualdades sociais etc...
Movimento Punk No Brasil

Novos ares tomaram conta do país no início da década de 80. Só se falava na abertura política a liberdade parecia ter chegado para ficar. Ainda se comemoravam o fim do ato inconstitucional número cinco e a sanção da anistia no final da década passada. Um acontecimento trágico, porém, veio abalar o processo de democratização do país. No dia trinta de abril de 1981, duas bombas explodiram dentro de um carro no estacionamento do Rio centro (RJ), durante um show promovido pelo Centro Brasil Democrático, apoiado pelo Partido Comunista Brasileiro. Foi o mais grave em uma seqüência de ataques, até então, dirigidos a bancas de jornal que vendiam publicações de esquerda. Ainda assim haviam mais espaço para quem quisesse mostrar suas idéias. A censura permanecia, mas não era tão pesada. Pelo menos era o que os roqueiros que fundavam suas bandas no underground, sonhando em expor ao público suas idéias contestadoras. Aos poucos, o rock deixava de engatinhar e se apoiava nas próprias pernas. Era preciso dar um fim a discriminação sofrida pelos roqueiros dos anos 70 e criar uma alternativa para os monstros sagradas da MPB (Caetano Veloso, Chico Buarque, etc.) E para as cantoras (Simmone, Maria Betânia, etc.) Que dominavam a programações das rádios. Antes da explosão, porém, havia mais alguns caminhos a serem percorridos. Com apenas dois anos de atraso, o movimento punk havia chegado a São Paulo em 1987. Mas no início, resumia-se a pequenas gangues de adolecentes que imitavam a roupa e as atitudes dos punks ingleses, mas não a música. Na Inglaterra, os jovens haviam começado a exibir seu descontentamento com os dinossauros do rock progressivo em 1975. Eles queriam uma música que retesse seu dia-a-dia e que pudesse ser tocada por qualquer um - e não por instrumentais virtuosos. Resultado o punk music, um rock de três acordes, rápido, cru e agressivo. Grupos como Sex Pistols e The Clash serviriam de inspiração para as primeiras bandas punks brasileiras que pipocavam em São Paulo e Brasília nos idos de 1978. Tudo ainda acontecia, porém, no underground, onde os grupos como AI-5, Lixomania ou Restos de Nada apresentavam-se para os iniciados. Em 1982, o público, finalmente, tomaria conhecimento da nova tendência. Primeiro com o lançamento do primeiro disco de punk do brasileiro: Grito Suburbano, que reuniria: Os Inocentes, Cólera e Olho Seco. Depois , Com a realização do festival O Começo Do Fim Do Mundo, o primeiro grande evento de punk realizado no Brasil. O acontecimento, que terminou em confronto com a polícia, teve ampla cobertura da imprensa. Em manifesto aberto ao público, os punks declararam: "Nosso movimento surgiu numa época de crise e desemprego com tal força que logo se espalhou pelo mundo, e cada um, á sua realidade, adotou esse tipo de protesto, punk ...", dizia o folheto. Clemente Tadeu, o vocalista de Os Inocentes, era mais direto: "Nós estamos aqui para revolucionar a música popular brasileira, pintar de negro a asa branca, atrasar o trem daz onze, pisar sobre as flores do Geraldo Vandré e fazer da Amélia uma mulher qualquer". Não seria fácil, porém. O caso de Os Inocentes é exemplar. Apesar de terem fundado o grupo em 1981, Clemente Tadeu ( guitarra e vocal ), Ronaldo Passos ( guitarra ), André Parlato ( baixo ) e Tonhão Parlato ( bateria ) só conseguiram gravar seu primeiro disco em 1986. Pânico em São Paulo, lançado pela WEA, mantinha a energia do grupo, que contava com a produção de Branco Mello, dos Titãs, e Pena Schimidt. Daí para frente o grupo teria uma Carreira estável, com mais cinco discos lançados por gravadoras grandes. O mesmo não se pode dizer de outros grupos paulistas da mesma geração. O Cólera, um dos mais representativos do movimento, gravaria em 1985 ( Tente Mudar o Mundo ), mas ainda de maneira independente. Já o Olho Seco lançaria discos apenas esporadicamente - seu último trabalho é Havera Futuro?, gravado no ano passado. A influência dos grupos paulistas, porém, ficaria para sempre em grupos como Ira ( que fez seu primeiro show em um festival de punk, na PUC de São Paulo, em 1981 ), RPM ( seu guitarrista Fernando Deluqui, passou pela banda de punk Ignoze ), Legião Urbana ( herdeira dos punks de Brasília ou Titãs, o grupo que incorporou a influência punk em suas música. A origem era outra, mas os ideais os mesmo. Também no início dos anos 80, um bando de rapazes de classe média começou a se reunir em bandas. Tinham formação universitária e estavam mais ligados a MPB do que ao rock. O que os unia não era o conteúdo, mas a forma: todos gravaram de maneira independente, longe das grandes gravadoras. Realizavam, assim, um dos ideais punks mais importantes: o "do yourself", ou, traduzindo "faça você mesmo" .O selo, no caso, era o Lira Paulista, mesmo nome do lugar onde a maioria das bandas se apresentavam - entre eles, Arrigo Barnabé, Sabor de Veneno, Língua e Banda Performática ( de onde saíram dois integrantes dos Titãs, Arnaldo Antunes e Paulo Miklos ). Com a sucessão de acontecimentos desagradáveis com os punks, como os confrontos com a policia e com a volta da tetra entre as gangues, o punk perdeu a sua força. Poucas bandas conseguiram sobreviver a todos esses acontecimentos. Mas um dia os punks sonham que aconteça uma verdadeira revolução desmacificada.

PUNK
Uma pessoa inteligente, que sempre viveu numa família rica não é capaz de sentir realmente uma situação que não seja a sua realidade. Nunca saberá realmente o que é sentir o desespero de estar num ambiente beirando o crime, a fome, o desemprego, a falta de perspectiva, uma fila de hospital, ou não ter mais nada a não ser o básico para permanecer vivo.
Sob este prisma pode-se esquecer em algum lugar imaginário e fora de alcance a educação, para preferir a sobrevivência. Assim, as crianças perdem rapidamente a inocência e o que predomina pode ser a revolta ou a alienação. A alienação povoa a maioria.

Uma idéia básica do que é a revolta com a pobreza não basta, o mínimo de compreensão é obtido da própria experiência. Como enfrentar esta situação e o que podemos aprender dela, tentar manter a solidariedade com as outras pessoas é o que o bom senso manda. Isto pode marcar profundamente o caráter de uma pessoa, sua visão do mundo.

Queiramos ou não, punk é um rótulo, que pode ser aceito com orgulho pelo próprio ou dito com o maior escárnio, arrogância e menosprezo por alguns que não vêem realmente a realidade que levou a este tipo de atitude.

Este é normalmente o perfil do punk, um revoltado. Sim, punk é uma atitude de revolta, um perfil, que somente pode ser entendido e muito mais do que isso, sentido pelo cara suburbano que viveu com a miséria e a desesperança bem perto! É a agressão, como forma de autodefesa contra a malícia das pessoas.

Acima de tudo, o punk se formou assim, e foi rotulado por se identificar ou ter algo em comum com o pequeno grupo, mais uma das minorias discriminadas!

UM perfil, não O perfil: A contestação do que é imposto e tido como normal e legal! Nunca calar, sempre retrucar perante a desigualdade! Abaixo o racismo, fascismo, nazismo! Em idéias, em atos, em música, no cabelo, brincos, no visual! Roupas diferentes e muitas vezes velhas. O agredir a estética imposta!

A música punk, é uma de suas maiores expressões. Sobre a arte, li uma vez:

"Não existe, de resto, invenção artística importante sem rebeldia, sem ruptura com normas acadêmicas ou simplesmente vigentes, sem indisciplina teórica e sem a irreverência necessária ao sepultamento dos mestres. Contraditória figura, o mestre ensina, ilumina e mata. Depois de um certo caminho percorrido, o condutor deve desaparecer para que o conduzido reinvente o mundo. O presente e o futuro da arte alimentam-se da violência em relação ao passado. A cada dia, os criadores precisam assimilar e destruir o já feito. Antropofagia permanente."

Quem é o (a) Punk?

Você já se perguntou sobre a origem de certas "tribos urbanas" como por exemplo o grupo social dos punks? Quem são e o que querem os punks? Eles são uma gangue? Os punks são um movimento cultural e ideológico que visa a transformação na sociedade que busca justiça através de sua contra - cultura que nega todo o lixo cultural que é imposto pela burguesia.

Os punks não são uma gangue, muito pelo contrário, os punks são uma irmandade, eles pregam a paz e a solidariedade entre os seres humanos e até os outros animais. (Pois os punks preservam a natureza).

Mas e porque se vestem de maneira diferente? É uma moda? Não, nada do punk é uma moda, e sim um "modo" de vida. Esse grupo apresenta um conjunto de valores e de idéias que, normalmente, se contrapõe à ideologia (?) vigente. Um jovem ao raspar parte do cabelo (moicano) ou pintá-lo de verde ou qualquer outra cor que seja diferente, deseja de alguma forma chocar e agredir os valores sociais que julga conservadores, ou melhor, "primitivos". É uma forma particular e ao mesmo tempo grupal de protestos.

O visual punk (que você deve pensar que é ridículo) é a negação do consumismo e todos os padrões estéticos vigentes, apesar de representar também o caos em que vivemos. A sua simplicidade é uma forma de protesto contra a classe dominante.

Mas apesar de ser o visual uma grande forma que contribui, o punk não se identifica apenas pelo visual e sim por sua postura ideológica e principalmente "suas atitudes".

Grande parte são jovens que em sua maioria começaram a sua revolta dentro de casa por causa do autoritarismo de seus pais, eles sofrem a tradicional repressão familiar (devido é lógico a situação de miséria), mas tarde se tornam rebeldes com causa, é como disse o filósofo Leon Tolstoi: "Primeiro mude a si próprio para depois querer mudar o mundo". (significa dizer que a revolução primeiramente deve ser psicológica, que dá-se dentro do próprio indivíduo para depois pensar na revolução social). Mas o punk não vive só de negar o sistema, eles apontam uma opção de luta por uma vida livre.

O punk tem mil motivos para se revoltar, por isso revida sem limites.

O punk se opõe e odeia todo tipo de poder ou autoritarismo, tudo que oprime a liberdade de se expressar ou de pensar do ser humano, por isso eles dedicam a sua vida na luta por uma nova sociedade livre de qualquer preconceito, exploração. E essa sociedade é claro que só pode ser a plenitude de uma sociedade anarquista.
O punk é anarquista por essência, é libertário por convicção e não por conveniência, por isso ele anarquiza o cotidiano e cotidianiza o anarquismo. Estão todos juntos por uma mesma causa, mas cada um é anarquista da sua forma, do seu jeito, por isso cada um tem seus métodos, na maioria das vezes a "ação direta", mas o que é mais importante é que se faça valer o seu lema "do it yourself" (faça você mesmo), por isso o punk além de altruísmo, significa também "responsabilidade".
Uma de suas formas de protesto, de diversão, e de principalmente, divulgar a sua ideologia, é através também da música, "O Hardcore", um som simples e direto, que abordam letras coerentes com temas políticos, envolvendo a "realidade incógnita", é um som incomercializável, a palavra "fama" é estranha à essência do hardcore, pois não tem afinidade alguma em produzir lucro. "A dança", é o pôgo a qual expelem sua angústia, o seu sentimento, de emoção e repúdio.

Pois ele ama o seu ódio e o amor, a coragem e o ódio juntos são mais fortes do que a hipocrisia e a ganância, mas o seu coração é muito forte e por isso resistiu até o fim, pois ele faz acontecer!